Fibrocar dribla a crise com novas peças de reposição para caminhões
Empresa utiliza injetora de RTM Light da Fibermaq
Três exemplos de peças fabricadas pela Fibrocar

         Enquanto boa parte do mercado aquietou-se para ver a crise passar, Paulo Celuppi, sócio-diretor da Fibrocar, foi para a prancheta. Fabricante de peças de compósitos para caminhões – é um dos líderes do mercado de reposição – Celuppi decidiu intensificar os lançamentos como uma saída para a retração da demanda. Deu certo. “Tendo em vista o desempenho do mercado como um todo, o nosso resultado em 2009 pode ser considerado ótimo”, comemora. Para 2010, ele avisa que seguirá na mesma trilha. “Mas deve ser um ano melhor, temos perspectivas bem mais positivas”.
         Com sede na catarinense Xaxim, a Fibrocar completou dez anos de estrada em 2009. Recorre às tecnologias de spray-up, vacuum-forming e RTM Light para fabricar pára-choques, ponteiras e estribos, entre outras peças de caminhões da Volkswagen, Ford e Mercedes-Benz. No caso do RTM Light, a injetora em operação na Fibrocar foi fornecida pela Fibermaq, maior fabricante brasileira de equipamentos e acessórios para a moldagem de compósitos. “Somos parceiros da Fibermaq desde 1999. Das laminadoras até as máquinas de RTM, podemos dizer, com certeza, que a performance das suas máquinas é excelente”, avalia Celuppi, ressaltando também a qualidade da prestação de serviços da empresa. “Sempre tivemos uma resposta bastante rápida da Fibermaq em relação à assistência técnica”, observa.
         Para mais informações, acesse www.fibrocar.com.br

.

Eventos
Fibermaq na Fibratec
Bastante descontraída, palestra na Fibratec terminou com churrasco

         No último dia 03, José Batista de Andrade, diretor da Fibermaq, apresentou uma palestra sobre manutenção e processos de moldagem de compósitos na Fibratec, uma das principais transformadoras do país. O encontro, bastante descontraído, aconteceu numa choupana onde a Fibratec organiza suas comemorações. Ao final, como não poderia deixar de ser, rolou um delicioso churrasco.




Dicas de manutenção

 
Como evitar entupimentos nas mangueiras?

         Com o tempo, as mangueiras, assim como as nossas veias, sofrem deposição de material nas suas paredes. Isso é muito prejudicial à saúde tanto das pessoas como das laminadoras e injetoras de RTM. Por isso, em 2010, evite aborrecimentos, chateações e desgostos desnecessários. Não deixe os entupimentos atrapalharem o bom andamento do equipamento mais importante da sua empresa: você! Agora, no caso específico das mangueiras das máquinas, é simples. Use solvente e o problema está resolvido!

Até a próxima,
JB



Quiz
 
1)
Você sabe qual é a diferença entre pressão e vazão? E conhece a sua importância no processo de fabricação?

Vazão é o que o compressor produz de ar. Pressão é a força que o equipamento a ser utilizado precisa. Por exemplo, uma laminadora que requer muita vazão e muita pressão consome 20 pcm (pés cúbicos p/ minuto). De nada adianta ter um compressor com alta pressão se ele não consegue produzir a quantidade de ar suficiente. Um exemplo simples: se comprarmos um daqueles  compressores bem pequenos, feitos na China, para encher pneu na prateleira de algum home center, ele atinge fácil  150 psi, porém não produz ar.
   
2)
Você sabe quantos mm de HG são necessários para fazer uma boa injeção?

Com 500 mm de coluna já é possível fazer uma boa injeção. O correto é usar pressão máxima  na aba de fechamento e menos na parte interna do molde. Esse vácuo é aplicado conforme cada tipo de peça.
   
3)
Você sabe qual é o máximo de mm de HG que consegue obter na sua cidade?

Existe um estudo apropriado para cada metro de altitude. Para termos uma idéia, uma cidade como São Paulo, que tem em média 750 metros de altitude, conseguimos um vácuo de 700 mm de coluna.
   
4)
Você sabe especificar uma bomba ou um compressor?

É muito comum especificar um compressor por pressão, mas o correto é por vazão. No caso da bomba de vácuo, também é comum acontecer um enorme equívoco na hora da compra. Não precisamos de bombas com vazão tão grande! Vamos usar como exemplo uma peça grande, um capô de caminhão ou cobertura de um trator. Quando desenvolvemos as medidas em m³, percebemos que não temos mais do que 0,5 m³ de ar internamente. Se você tem cinco moldes trabalhando simultaneamente, isso quer dizer que o consumo total é de 5 m³. Então, por que uma bomba tão grande?
   
5)
Você sabe por que falta ar no final da linha, mesmo sendo o compressor de alta potência/alta vazão?

A principal razão é o estrangulamento. O que é isso? O compressor tem uma grande capacidade de vazão e pressão. No entanto, a rede de ar é muito pequena (inclusive conexões), fazendo com que a pressão não chegue de forma suficiente. Com isso, o rendimento dos equipamentos fica comprometido.





Você sabia?
 

         Em paralelo ao início da formação de uma cadeia de fornecedores de resinas, nascia a primeira distribuidora brasileira de matérias-primas para o setor de compósitos. Denominada Glastec, a empresa foi criada em 1965 pelos donos da transformadora Glaspac, Christopher Pontifex (foto) e Donald Pacey. Ao lado de resinas e fibras de vidro, a Glastec vendia na Avenida Santo Amaro, vizinha do Cine Vila Rica, bandejas e pranchas de surf produzidas pela coligada Glaspac.


Fonte: “Compósitos 1”






O Fibermaq em Notícia é um informativo mensal sobre as novidades da Fibermaq, empresa pioneira na fabricação de equipamentos para a transformação de materiais compósitos. Fundada em 1978, na cidade de São Paulo, a Fibermaq produz máquinas para o processamento de resinas termofixas, gelcoats, poliuretano, epóxi e adesivos em geral. Ao longo desses trinta anos, mais de 1.500 laminadoras, gelcoateadeiras, injetoras de RTM e máquinas de enrolamento filamentar, entre outras, foram comercializadas pela empresa no Brasil e em toda a América Latina.  Para mais informações, acesse www.fibermaq.com.br ou ligue para (11) 5511-9001.

SLEA Comunicação:
Silvio de Andrade
(11) 3554-0497
silvio@slea.com.br